segunda-feira, 18 de julho de 2011

GOLFADAS

GOLFADAS

FERNANDO AZEVEDO

“Menino que golfa engorda” diz o matuto. Às vezes algumas mães superalimentam o bebê e eles golfam, mas engordam. Mas vamos lá. É muito comum, em torno de 70% dos bebês até os seis meses regurgitarem e às vezes uma grande quantidade de alimento Não passam mal, progridem bem, mas estão sempre com aquele cheirinho de azedo. É o golfador feliz como se chama. Não dá nem bola, golfa e ainda ri da tua cara.  Nesses casos existem hoje uns leites anti-refluxo (AR) nos casos de não amamentados ou em alimentação mista. Como vivem deitados, até os seis meses regurgitam mais. À medida que sentam e ficam de pé as golfadas vão diminuindo e é tempo também das papas de frutas e salgadas. Tudo isso pesa mais no estômago. Os golfadores devem ficar em posição vertical por uns 20 minutos após a alimentação e depois deitados com elevação da cabeceira da cama para ficar com o estômago em posição mais baixa. Não o coloque sentado em bebê conforto pois aumenta a compressão no estômago Agora inventaram um berço chamado Multicare AR-bed  mas nem tente encontrar no shopping  nem encomende a quem for par os states.. Peça só o ipad. O berço á ainda acadêmico. Existe a criança que golfa e passa mal, não progride de peso e chora o dia todo a ponto do vizinho bater na sua porta e perguntar se está tudo bem. São os que sofrem da Doença do Refluxo Gastro Esofágico (DRGE). Choram porque tem azia e quando leite passa dói, choram porque estão sempre com fome, pois não conseguem satisfazer o apetite, choram porque estão doentinhos mesmo. Esses casos merecem tratamento com medicamentos e os mesmos cuidados de postura. Às vezes confunde-se o caso com alergia a proteína do leite de vaca quando estão tomando leite de lata ou mesmo o leite da mãe que tem hábito de tomar muito leite e derivados. Nesses casos só vendo direitinho e acompanhando. Um exame que se pedia para se ter uma idéia da quantidade de regurgitações em 10 minutos, a ultrasonografia os gastroenterologistas estão desprezando  e não valorizam mais. Em casos mais complicados, exames mais complexos e dietas mais caras. muito caras minha cara amiga. A tendência do refluxo é ir diminuindo com o passar dos anos, mas alguns adolescentes e adultos podem manter e necessitar medicação e cuidados com dieta.

2 comentários:

  1. Achei muito interessante seu texto. Meu filho tem 3 meses e tem refluxo desde que nasceu. Hoje estou conseguindo controlar as crises.

    ResponderExcluir
  2. MUITO BOA ESSAS INFORMAÇÕES!

    ResponderExcluir